5 COISAS QUE AS MULHERES DESEJAM QUE OS HOMEM NÃO FAÇAM NOS

A separação parece algo que não tem como evitar quando os homens não conseguem corrigir esses 5 “problemas” em seu relacionamento. Parece que as mulheres tem uma lista de 5 coisas que nós não podemos fazer de forma alguma, então vamos conferir quais são essas simples coisas:

1. você passa mais tempo com os amigos do que com ela.
2. Se acomodar depois que começar a namorar com ela.
3. Você não é romântico. 
4. você não está comprometido com ela. 
5. Querer mandar em tudo o que ela faz.
Alguns parecem bem bobos e com total certeza não será isso que vai terminar um relacionamento, o link de onde essas 5 coisas foram tiradas é yourtango, está em inglês, mas lá a autora explica melhor o porque de cada item, talvez isso te faça entender melhor!
Alguns parecem bem bobos e com total certeza não será isso que vai terminar um relacionamento, o link de onde essas 5 coisas foram tiradas é yourtango, está em inglês, mas lá a autora explica melhor o porque de cada item, talvez isso te faça entender melhor!

Você sabia que a maioria dos problemas de visão poderia ser solucionada se fosse detectada precocemente? Descubra os sinais que devem indicar que seu filho precisa de ajuda para enxergar melhor e saiba como proteger os olhos dele desde o nascimento



Criança usando óculos (Foto: Shutterstock)
Antes de nascer, o bebê ainda não sabe enxergar. Apesar de, anatomicamente falando, os olhos dele já estarem praticamente formados ao fim do segundo mês de gestação, ainda não têm suas funções desenvolvidas. Por isso, na primeira vez que a criança vê o mundo, ele não se revela perfeito à sua frente – e não é porque ela nasce com hipermetropia, uma dificuldade de enxergar de perto causada pelo tamanho pequeno dos olhos e que é corrigida durante o crescimento. A verdade é que o bebê ainda não identifica todas as cores e o máximo que vê são vultos. Ou seja, até então, seu filho apenas tem a capacidade de desenvolver a visão, o que, ao contrário do que se possa imaginar, é muito bom. Caso tenha algum problema, será muito mais fácil solucioná-lo, desde que o diagnóstico seja precoce. Segundo a Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica (SBOP), 50% dos recém-nascidos com alteração visual só têm a dificuldade identificada quando ela é irreversível. Problemas como erro refrativo (miopia, astigmatismo, entre outros) e estrabismo teriam um final mais feliz e menos traumático se a máxima de que “prevenir é melhor do que remediar” saísse da teoria para se tornar prática. Na reportagem a seguir, entenda tudo sobre os olhos do seu filho, desde o colírio da maternidade até a escolha da armação dos óculos.
Cuidados com o recém-nascido 
Os olhos do seu filho recebem atenção ainda na maternidade. Já na sala de parto, acontece a aplicação do colírio de nitrato de prata, que previne conjuntivites neonatais (mas também pode causar a química, que é combatida naturalmente pelo organismo da criança). Ainda assim, atualmente, a principal causa da conjuntivite neonatal é a clamídia, notada apenas entre o quarto e o décimo dia de vida. Portanto, se os olhos do seu filho ficarem irritados após a saída da maternidade, é preciso levá-lo ao pediatra.
Existem outros exames que seu bebê faz logo nas primeiras horas de vida. Em alguns estados brasileiros, como São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco, é obrigatória a realização do “Teste do Reflexo Vermelho” ou, como é mais conhecido, “Teste do Olhinho”. Ele detecta catarata e glaucoma congênitos, tumores, inflamações e hemorragias intraoculares. Para realizá-lo, o médico coloca uma luz nos olhos da criança e observa o reflexo gerado. Se for homogêneo e simétrico, está normal. Mas, se houver dificuldade para identificá-lo, o bebê deve ser encaminhado ao oftalmologista. Se na sua cidade o teste ainda não é obrigatório, é necessário que o próprio pediatra faça a análise. Vale lembrar que, em casos de prematuridade, é imprescindível o acompanhamento oftalmológico entre a quarta e a sexta semana de vida do bebê, já que uma das principais causas de cegueira infantil é o descolamento da retina, problema que atinge muitos prematuros.
Ainda no primeiro mês, é normal ocorrer uma obstrução à drenagem da lágrima, o que vai fazer seu filho lacrimejar muito sem motivo em um ou ambos os olhos. O tratamento é simples: envolve massagem na via lacrimal e lubrificante. Se não der resultado, o médico insere uma pequena sonda de silicone. Mas não se assuste: o procedimento é de rotina e acontece no consultório mesmo.
A primeira consulta no oftalmo 
Ainda que os resultados dos exames do seu filho estejam normais, o ideal é que ele volte ao oftalmologista antes do primeiro ano. Nessa consulta, o médico faz uma avaliação geral da visão da criança. Observa, por exemplo, se ela segue objetos e luz, detecta se tem estrabismo ou até miopia. Também dilata os olhos do bebê para identificar se há grau de óculos e ver o fundo de olho, o que pode revelar problemas como tumor e cicatriz na retina. Essa última, dependendo de onde se encontra, não traz prejuízos. Mas, se estiver na região central dos olhos, não há como recuperá-la. O que se pode fazer é estimular precocemente a visão, para que a própria criança desenvolva mecanismos de compensação.
Olhar na escola 
Quando seu filho entrar no colégio, prepare-se para uma temporada de conjuntivites virais, já que ele vai conviver com muitas crianças em ambientes fechados. Não existe tratamento específico para essa doença. O normal é que, em poucos dias, ela vá embora espontaneamente. Enquanto isso, vale fazer compressas com água fria e utilizar colírios lubrificantes, para amenizar aquela sensação de “olho colado” da criança. Ainda na fase escolar, é comum o diagnóstico de estrabismo, que é genético e aparece mais frequentemente até os 4 anos de idade. Existem três tipos. O falso estrabismo acontece quando a criança tem os olhos paralelos, mas a sensação é de que não são. Nesse caso, o “problema” se resolve sozinho. O estrabismo de desvio intermitente é quando o olho “entorta” apenas de vez em quando. O tratamento é clínico e começa com um tampão (colocado no olho “normal”), a fim de incentivar o outro a se corrigir sozinho. Se isso não ocorrer, a criança deve passar por cirurgia. Já no estrabismo permanente, o único tratamento é a operação.
Seu filho precisa de óculos? Você deve voltar no oftalmo a cada dois anos e, especialmente, quando seu filho completar 6 ou 7 anos e começar a ser alfabetizado. Isso porque, nessa fase, há muitos casos de crianças consideradas hiperativas e que levam bronca na escola por mau comportamento, quando, na verdade, têm apenas dificuldade de enxergar! Os problemas mais comuns costumam ser a hipermetropia, que pode causar dor de cabeça, sensação de peso, ardor e lacrimejamento (principalmente durante a leitura de perto); o astigmatismo, quando os objetos parecem desfocados; e a miopia, que costuma dar sinal por volta dos 7 anos e obriga a criança a fazer esforço para ver de longe. Outro problema que pode acontecer é o chamado “olho preguiçoso” (ambiliopia), quando há diferença de capacidade visual entre os olhos. O tratamento é feito com o tampão, da mesma forma que no estrabismo.
Para responder a essa pergunta, repare se ele tem dificuldade para reconhecer pessoas de longe, cai toda hora ou fecha um pouco os olhos para conseguir ver. Esses podem ser indícios de que tem algum problema de visão. Outros comportamentos que podem valer uma ida ao oftalmologista são lacrimejar demais, entortar a cabeça para enxergar, bater nas portas e paredes e não conseguir perceber objetos pequenos. Aquela história de que se a criança se aproxima demais da televisão para assistir a um desenho é porque tem algum problema só é válida se ela apresentar outro sintoma entre os já citados, mas pode servir de alerta. Se notar algum problema e o oftalmologista confirmar a necessidade do uso dos óculos, não é o fim do mundo. Hoje já existem modelos especiais para crianças à disposição no mercado (veja mais na página a seguir). Até porque pacientes com estrabismo, que geralmente têm graus mais altos, podem iniciar a utilização dos óculos desde 4 ou 6 meses. Se o grau for baixo, provavelmente a criança só começará a usar óculos no período escolar, quando a demanda visual aumenta.
Novo companheiro 
É definitivo: seu filho precisa de óculos. Mas, como convencê-lo a usar? Depende muito do nível de dificuldade dele. Quem tem grau elevado geralmente aceita o novo acessório facilmente, já que passa a “enxergar” só com ele no rosto. Quando o grau não é tão alto, a criança não percebe tanta diferença e, por vezes, não tem motivação para usá-lo. Independentemente do caso da sua família, um jeito de incentivar seu filho é começando pelos óculos de sol, que, dependendo do caso, também precisarão de grau! Eles são essenciais para todo mundo, desde que protejam contra os raios UVA e UVB. Sem essa proteção, melhor nem usar! Isso porque, em ambientes externos e sem óculos, a criança acaba fechando um pouco os olhos para reduzir a entrada de luz. Com as lentes escuras, isso não acontece. Outra dica é levá-lo para escolher os novos óculos. Os modelos de acetato e com armação que contorna toda a lente são os melhores para crianças. Além de mais maleáveis e resistentes, têm apoio no nariz que não incomoda tanto. Muitos contam com hastes que dão a volta ao redor da orelha, o que ajuda a posicionar no rosto. É melhor evitar lentes de contato, já que elas requerem cuidado no manuseio e na higienização, o que a maioria das crianças ainda não tem. Para ajudar você a escolher os óculos do seu filho, selecionamos as melhores opções na próxima página. Agorá é só descobrir o modelo que vai combinar direitinho com o menino dos seus olhos.
Mais dicas para convencer seu filho a usar óculos
- Crie rotinas de utilização, como colocá-los logo ao acordar ou assim que entrar no carro para ir à escola e permanecer com eles por todo o dia.
- Evite dar bronca se a criança retirá-los. O ideal é fazer um reforço positivo, elogiando o uso e estimulando-a a colocá-los quando for iniciar atividades de que goste.
- Mostre fotos de cantores e atores de quem a criança gosta usando óculos.
- Ensine a criança a guardar os óculos na caixa sempre que tirá-los do rosto. Também vale usar uma cordinha para deixá-los pendurados no pescoço.

Claudia Leitte S/A: como a cantora virou uma empresária inovadora

A musa loura do axé também é a mulher de negócios que trata sua imagem de artista de modo profissional

  •  
CRESCIMENTO A cantora Claudia Leitte.Há dois anos, ela trabalhava em campanhas para duas marcas. Agora são 12 (Foto: André  Schiliró/ÉPOCA)
São tantas e tão extensas as contribuições da Bahia à música brasileira que é possível afirmar que, sem elas, a MPB simplesmente não existiria. Seria possível reconhecer o cancioneiro nacional sem samba e Dorival Caymmi, João Gilberto e Caetano Veloso, Gilberto Gil e Novos Baianos, trios elétricos e Olodum? Certamente, não. Há duas décadas, a MPB tornou-se tributária também do axé, um ritmo carnavalesco recebido, a princípio, com desconfiança e uma boa dose de preconceito pelo resto do país. Na voz de Daniela Mercury, o axé atravessou, no princípio dos anos 1990, as divisas da Bahia. Com Ivete Sangalo, consolidou-se como um gênero respeitável, na década seguinte. Agora, é Claudia Leitte, a musa loura do axé, quem apresenta sua contribuição. E ela está no campo dos negócios. Claudia profissionalizou sua empresa de uma forma que pode inspirar – e, quem sabe, até transformar – a gestão do showbiz no país.

A 2Ts, fundada por Claudia há um ano, tenta transformar o relacionamento dos músicos com o mercado publicitário. Os anunciantes, as agências e a receita que eles podem trazer ainda são encarados como uma questão secundária pela maior parte dos artistas. É uma herança dos anos em que a venda de discos enriquecia artistas. Essa lógica ruiu quando surgiram os MP3, no início dos anos 2000. A indústria fonográfica foi devastada. Os cantores converteram os shows em base de seu faturamento. Começou a era dos cachês. Hoje, os bem-sucedidos ganham fortunas com apresentações quase diárias, sustentadas por uma agenda extenuante de viagens. Essa rotina implica desgaste físico e uma superexposição capaz de arruinar carreiras. Claudia pode ter encontrado a saída para essa armadilha nas antes subestimadas oportunidades da publicidade. Para isso, adotou uma nova postura diante dos anunciantes, mais propositiva e provocadora.
Quem ela influencia? (Foto: ÉPOCA)
Claudia encontrou a porta. Faltavam a chave e o porteiro. Achou a primeira há um ano, quando se desvencilhou de seus antigos agentes – que basicamente vendiam seus shows – para fundar a 2Ts. A razão social da empresa vem, claro, de seu sobrenome, turbinado com um T a mais do que recebeu no batismo. Para administrá-la, contratou executivos com passagens por multinacionais, carreiras no exterior – e, curiosamente, sem experiência no mundo artístico. Deu o cargo de presidente a Fábio Neves, ex-vice-presidente de marketing da Xerox na América Latina. Com passagens pela Canon, pela Xerox, pela HP e pelo Serasa, Marco Serralheiro assumiu o marketing e o licenciamento de imagem. Neves e Serralheiro concluíram que sua primeira tarefa era entender o produto que tinham em mãos. Para isso, contrataram pesquisas sobre a imagem da cantora.
Incumbida da tarefa, a Ilumeo descobriu que Claudia agrada tanto ao público que gosta de axé quanto ao que não gosta. A dupla de executivos percebeu, então, que a “loura do axé” era identificada com um valor maior que o ritmo carnavalesco. Encontraram assim o caminho para situar a 2Ts no mercado. “Sou uma cantora de axé. Axé é alegria. Então, eu vendo alegria”, diz Claudia.

A partir daí, a 2Ts adotou a expressão “empresa de alegria” como seu cartão de visitas. O passo seguinte foi procurar agências e anunciantes, para apregoar os trunfos de vendedores de Claudia. Nesses encontros, os executivos exibem dois tipos de pesquisa: aquelas que monitoram a percepção sobre Claudia e as que revelam os públicos mais receptivos a ela. No fim, acompanham os resultados obtidos por quem a contratou. “O mercado já começa a perceber que investir em publicidade com um cantor dá um retorno às vezes superior ao que se consegue com um ator”, diz Guga Pereira, diretor XYZ Live, líder nacional no ramo de entretenimento.
DOS HOLOFOTES PARA AS PRATELEIRAS 1. Claudia Leitte  gravou em junho um filme publicitário para  os chocolates Garoto  2. Em maio, fez em São Paulo uma de suas mais de dez apresentações mensais 3. Em 2012, na gravação do The voice, programa de talentos   (Foto: Rogério Cassimiro/ÉPOCA, Júlio Costa/Futura  Press/Estadão Conteúdo e  João Miguel Júnior/Rede Globo)
As pesquisas posteriores da Ilumeo mostram que Claudia tem uma penetração maior nos contingentes femininos das classes C e D, mulheres admiram aquelas capazes de conciliar trabalho e família. Revelam também que a recepção positiva sobre Claudia deu um salto depois que ela participou do The voice, programa de talentos da TV Globo. O crescimento foi sentido, sobretudo, nos atributos de simpatia, determinação e confiabilidade. “Artistas que se tornam marcas, como Claudia, devem ser tratados como empresas. Os valores associados a eles têm de ser identificados e reforçados para atrair anunciantes”, diz Eduardo Lorenzi, da NeogamaBBH.

Foi o que aconteceu. Há um ano, Claudia representava duas marcas. Agora, são 12, entre elas Gol, Sky, Guaraná Antarctica e Nestlé. No Dia das Mães, a Riachuelo contratou-a como garota-propaganda. O estoque da coleção que ela anunciou se esgotou duas semanas antes da data. “Nosso site recebeu mais de 100 mil visitas”, diz Marcella Kannder, diretora de marketing da Riachuelo. Os chocolates Garoto viram seu número de fãs no Facebook pular de 360 mil para 4,6 milhões, depois que exibiu na TV uma campanha protagonizada por Claudia e pelo cantor sertanejo Michel Teló. Com mais publicidade e licenciamento, o faturamento da 2Ts subiu 44% em um ano. Segundo estimativas do mercado, hoje está na casa dos R$ 50 milhões anuais.
A CEO DO AXÉ Claudia Leitte despacha com o presidente  da 2Ts, Fábio Neves, e o diretor de marketing, Marco Serralheiro (Foto: Letícia Moreira/ÉPOCA)
Agora com uma centena de funcionários, a 2Ts prepara-se para representar outros músicos. O primeiro é a cantora Mira Callado, do The voice. Os executivos da empresa acreditam que, com cinco bons artistas, reduzirão de 50% para 40% a participação dos shows de Claudia no faturamento da 2Ts – o restante virá de publicidade, licenciamentos e vendas de CDs, DVDs e MP3. Outro desafio é usar a Copa de 2014 para expor Claudia ao público estrangeiro. Na semana passada, ela se apresentou nos festivais de jazz de Milão e de Montreux. Para aproveitar a oportunidade da Copa, a 2Ts lançará Axemusic, o próximo DVD de Claudia.

O sucesso obtido pela 2Ts em seu primeiro ano pode mascarar os riscos que um artista corre quando decide empreender. Ivete Sangalo não teve o mesmo sucesso. Ela empreendeu numa área diferente, a produção de shows. Sua empresa, a Caco de Telha, perdeu fortunas em 2010, pilotando as turnês brasileiras de Beyoncé e Black Eyed Peas. Auditores identificaram um rombo de R$ 60 milhões, excesso de pessoal e dívidas trabalhistas. Ivete profissionalizou a direção, demitiu funcionários, parentes e até seu irmão. “Enxugamos muito sem reduzir a receita”, diz Fábio Almeida, diretor da Caco de Telha.
O som do dinheiro (Foto: D. Dipasupil/FilmMagic,  Deco Rodrigues/Editora Globo e Ricardo Cardoso/Editora Globo)
No sertanejo, outro segmento lucrativo, duas experiências se destacam – embora nenhuma delas tenha a abrangência da de Claudia Leitte. A FS, de Fernando e Sorocaba, é um exemplo de sucesso. Em 2010, a dupla recebia mais convites do que podia aceitar. Para não perder mercado, passou a agenciar outros cantores. “Sabíamos que buscariam um substituto noutro escritório. Pensamos: vamos oferecer um nosso”, diz Sorocaba, a cabeça empresarial da dupla. Para ampliar o negócio, ele entregou o marketing a um parente que atuava no mercado publicitário e a venda de shows a um profissional de eventos. A nova estrela do sertanejo Paula Fernandes tateia nesse caminho. Em fevereiro, abriu a Jeito de Mato. “Quando era agenciada, sentia falta de um envolvimento com minha carreira. Com uma estrutura profissional, posso planejar o futuro”, diz.

Claudia e os sertanejos se inspiram em exemplos de fora, onde é cada vez mais comum que artistas empreendam. O caso mais eloquente é a Roc Nation, sociedade do rapper Jay-Z com a Live Nation, gigante da área do entretenimento. Formada em 2008, a Roc Nation agencia artistas mais famosos que o dono, como Rihanna ou Shakira. “A profissionalização impõe desafios aos artistas, mas é um movimento natural”, diz o pesquisador Tiago Dória, do Massachusetts Institute of Technology (MIT). Para os músicos, é mais do que isso. Com empresas bem-sucedidas, eles estarão mais preparados para enfrentar quedas de popularidade e poderão reservar tempo para a vida pessoal. É o objetivo de Claudia: “Quero mais recursos, mas não abro mão de ver meus filhos, Davi e Rafael, crescer”.  

Dinâmica de grupo: cinco dicas para se dar bem e conquistar a vaga

especialista em recrutamento conta o que empregadores observam



 
Já não é fácil encarar uma entrevista de emprego, imagine então uma etapa do processo seletivo onde, além dos empregadores, estão presentes os outros candidatos ao cargo. A temida dinâmica de grupo é um desafio que testa oautoconhecimento, a confiança e os nervos de quem passa por ela.


Para entender como é possível aliviar o estresse dessa etapa, conversamos com uma especialista em recrutamento e separamos os cinco diferenciais que um candidato preparado deve ter. Veja na lista abaixo.
  • 1
    Look
    Se a primeira impressão for mesmo a que fica, a escolha do que vestir para uma dinâmica de grupo tem um papel importante. Na dúvida, leve sempre em consideração o perfil da empresa e da vaga. “Por mais elegante que seja, um terninho não vai ajudar ninguém na seleção para uma vaga numa agência de publicidade, por exemplo. Da mesma forma, não dá para usar jeans numa seleção de área jurídica. O segredo é checar antes todas as informações sobre o empregador e adotar um estilo de acordo. Quem está muito fora dele não será contratado”, diz a diretora da consultoria “People on Time”, Elvira Berni. No mais, uma dose de vaidade sempre ajuda: aposte na maquiagem leve e nas unhas bem feitas.

     
  • 2
    Apresentação
    Sabe aquele momento em que cada candidato é convidado a se apresentar? Fuja das longas autobiografias e adote um discurso coeso e de, no máximo, três minutos. Para os mais tímidos, o truque é treinar o texto em casa. “É sempre imprescindível dar todas aquelas informações pessoais que os consultores de RH pedem, mas o diferencial está em ‘temperar’ a apresentação com bom humor. Faça as pessoas rirem com seus comentários mais inteligentes e bem colocados. Isso mostra sua tranquilidade e leveza diante da situação”, explica Elvira Berni.

     
  • 3
    Confiança
    Em vez de encarar a dinâmica de grupo como um bicho de sete cabeças, procure adotar uma forma positiva de enxergar esse momento, que pode ensinar muito sobre sua área, seus concorrentes no mercado e sobre você mesmo. “Encare tudo como um aprendizado, ouça atentamente o que os outros candidatos dizem e evite ações que evidenciam desconforto, como mexer as pernas, bater os pés no chão e rabiscar. Procure respirar compassadamente para driblar a ansiedade e manter a calma”, alerta a diretora da “People on Time”, Elvira Berni. Enquanto os outros candidatos falam de si mesmos ou tentam inflar as qualidades, lembre-se de suas próprias conquistas e do que você pode oferecer de bom. Jamais se sinta menor ou menos capaz do que o resto da turma.

     
  • 4
    Atitude
    Uma dinâmica de grupo tem sempre pelo menos uma atividade em grupo. Além da oportunidade de avaliar como cada candidato negocia situações com seus concorrentes, os empregadores usam esse momento para identificar competências, como liderança, poder de persuasão e trabalho em equipe. “O mais importante não é a execução da tarefa em si, mas sim o comportamento que se adota diante dela. O quanto esse candidato participa, discute e se empenha para fazer o que foi pedido é o que vale”, explica a especialista em recrutamento e seleção. O truque é o seguinte: evite sempre a arrogância e a vontade de aparecer a qualquer custo. Mostre que seu trabalho dispensa apresentações.

     
  • 5
    O que não fazer de jeito nenhum
    Por fim, nunca mais diga que seu pior defeito é ser ansiosa e que sua melhor qualidade é a orientação para resultados. “Respostas prontas são sempre uma decepção. Procure evitar jargões e transmita mais leveza na conversa”, diz a consultora. Ela recomenda substituir o “trabalho em equipe”, por exemplo, por um “podem contar comigo” e ainda encarar toda a situação como um "início de namoro" na hora de assumir as falhas. Numa hora dessas, será que você precisa mesmo entregar que sente preguiça todo dia depois do almoço?
     

Metas ambiciosas: veja como é possível realizá-las

em livro, autor dá 4 dicas práticas para alcançar feitos extraordinários

  

Foto: Getty Images
Ser líder de mercado ou triplicar o faturamento da sua empresa soam como metas impossíveis?
 Para Mark Murphy, autor do best seller “Metas que desafiam: a ciência dos feitos extraordinários”, é exatamente neste tipo de meta – muito ambiciosa -  que mora o segredo do sucesso. Segundo o autor, é preciso estabelecer metas que ponham à prova os limites da sua capacidade.

Mas até que ponto o desejo por grandes feitos é saudável? Ou ainda, o indivíduo que anseia por objetivos muito ambiciosos está mais propenso à frustração? A psicóloga Aline Cataldi explica: “O cérebro funciona através de imagens. Imaginar nossas metas concretizadas é importante para o sucesso. Mas o risco de frustração não deve ser esquecido. Quanto maior a expectativa, maior a frustração. Caso o objetivo não seja alcançado é preciso continuar lutando: persistência, foco e disciplina são características das pessoas de sucesso”. 

Portanto, mesmo que os nossos sonhos não saiam como o planejado, as metas são de extrema importância no caminho do sucesso. Em seu livro, Murphy dá dicas práticas para conquistar feitos extraordinários em quatro passos, veja na lista abaixo.
  • 1
    O quanto você quer?
    Metas sinceras: é preciso demonstrar um desejo real, o que Murphy define como “necessidade existencial e significado de que é impossível livrar-se deste desejo”. 

     
  • 2
    Entusiasmo
    Metas animadas: o autor ilustra este passo com o processo de criação do iPad, da Mac. “Steve Jobs não escreveu um número numa planilha e disse: '657 mil iPads vendidos, esta é a minha meta'. Ele viu um filme na cabeça mostrando as pessoas folheando jornais, lendo livros, assistindo a filmes; tudo com o seu maravilhoso tablet. Ele viu como seria o dispositivo e a reação emocional que as pessoas teriam quando experimentassem o iPad”.
     
  • 3
    Intensidade e determinação
    Metas necessárias: Murphy compara a necessidade da meta com a sobrevivência: Há rumores de que Steve Jobs trabalhava no iPad enquanto se recuperava de um transplante de fígado. O desejo de atingir as metas precisa ser muito intenso – sua sobrevivência depende de atingir estas metas”.

     
  • 4
    Feitos extraordinários
    Metas difíceis: Segundo o autor, para conquistar feitos extraordinários é preciso definir metas difíceis, sair da zona de conforto ou da pouca ambição, a fim de deslumbrar grandes mudanças. “Quando você está emocionalmente ligado a sua meta, quando pode vê-la e senti-la, quando a sua meta parece ser necessária à sua sobrevivência e quando ela testa os seus limites, seu cérebro está vivo – os neurônios literalmente iluminados de entusiasmo”, explica.

     

Produtividade matutina: três dicas para fazer as manhãs renderem mais

descubra quais são e coloque-as em prática já



Foto: Getty Images
Se já não disse, provavelmente já deve ter ouvido de alguém a frase: “Não funciono muito bem de manhã”. O costume de chegar sonolento ou sem disposição ao trabalho ou a qualquer lugar nas primeiras horas do dia é comum para muita gente, mas não deve ser visto como um comportamento natural.


Quem dorme mais cedo e tem sono contínuo tende a render mais pela manhã, mas essa não é a única razão para isso. Na lista abaixo, reunimos as três atitudes que podem fazer as manhãs serem mais produtivas e prazerosas. Descubra quais são e coloque-as em prática já.
  • 1
    Crie uma rotina prazerosa
    Começar o dia fazendo alguma atividade que dá prazer pode impulsionar a produtividade das próximas horas. É o que diz o psicólogo Ramani Durvasula, pesquisador da Universidade do Estado da Califórnia, nos Estados Unidos. “Muitas vezes as pessoas simplesmente não querem acordar porque sabem que irão enfrentar alguma tarefa que não suportam, então eles permanecem em negação com o sono”, explica. Uma forma de animar as manhãs e sair da cama com o pé direito é programar uma atividade para por em prática antes de correr para o trabalho - já que isso não dá mesmo para evitar. Uma corrida matutina, um café da manhã ou um banho mais longo e prazeroso podem ser as chaves para uma rotina mais leve.

  • 2
    Levante no primeiro alarme
    Você sabia que os dez minutinhos de cochilo após a hora exata que você programou para acordar detonam a produtividade do dia? O especialista Matthew M. McEwan, do site americanoEarly Riser, ressalta que este soninho extra pode gerar consequências negativas para o dia. Em vez de reprogramar o alarme, acorde logo e já comece a fazer algo, preparar o café da manhã, escovar os dentes ou tomar um banho. Depois dos tais minutinhos que você teria passado dormindo, vai ver que o dia já começou rendendo.

  • 3
    Aposte na luz natural
    Não é que aquele costume de fechar as cortinas da janela na hora de dormir pode estar atrapalhando sua produtividade? Se você precisa acordar cedo, mas sempre acaba com preguiça de levantar e começar a dia, experimente manter as cortinas abertas e deixar que a luz do sol entre e o desperte do sono naturalmente. Quando o barulho do alarme não for suficiente, é esse costume que vai ajudar você a levantar com mais disposição. Mesmo que o dia esteja chuvoso lá fora.

Estresse no trabalho? Veja dicas para relaxar e ser mais feliz

tudo o que você precisa saber para combater esse desconforto



Foto: Getty Images
Abril marca nos Estados Unidos o Mês Nacional de Consciência contra o Estresse e, por conta da ocasião, jornais e sites americanos têm o costume de publicar reportagens, gráficos e pesquisas mostrando os perigos de se render ao problema. Como o trabalho é uma das principais fontes de estresse no dia a dia, resolvemos reunir na lista abaixo tudo o que você precisa saber para combater esse desconforto.


Ações contra o problema
O estresse é uma conjunto de reações físicas e psicológicas que aparece como resposta do corpo a momentos de irritação e frustração. Como nem sempre é possível evitá-los, principalmente no trabalho, a melhor forma de lidar com situações estressantes é criar condições de relaxamento e prazer no meio da rotina. Um infográfico produzido pelo instituto Heart Math e publicado no jornal Huffington Post recomenda seis atitudes fáceis e naturais para o combate ao estresse:

1- Respirar fundo: inspirar como se você estivesse direcionando o ar para o centro do tórax tem uma função calmante. Faça o teste.
2- Fazer refeições saudáveis: alimentos processados, com muito sal ou gordura dificultam a digestão e aumentam a irritabilidade do organismo
3-Acalmar a mente: preocupação excessiva só piora o estresse, por isso, vale mais a pena pensar em soluções em vez de negar que elas existam. Trazer o passado à tona também é desperdício de tempo e energia.
4- Praticar atividades ao ar livre: caminhar, andar de bicicleta ou correr ou apenas dar um passeio sem compromisso. Tudo isso conta.
5- Criar tempo: para os filhos, marido ou namorado, amigos, não importa. Estar perto de pessoas queridas ajuda a reorganizar a mente. Faça disso uma prioridade.
6- Dormir bem: o ideal é ter de seis a oito horas de sono por noite para garantir um dia mais relaxado na manhã seguinte. A rotina anda apertada? Lembre-se de que o sono não pode ficar fora dela.

Estresse como vilão
Se você ainda acha que o estresse é passageiro e que não precisa fazer nada para evitá-lo, chegou a hora de repensar esse raciocínio: a condição está associada a mais de oito problemas de saúde, como má digestão, ciclo menstrual irregular e ganho de peso. A beleza também sofre com o estresse, já que ele está por trás da queda de cabelo e do surgimento de acne no rosto, apenas para citar dois problemas.

Celebridades contra o estresse
Como estão sempre na frente das câmeras ou sob os holofotes, muitos famosos costumam fazer do combate ao estresse uma prioridade de vida, afinal, eles sabem bem que qualquer desequilíbrio pessoal pode ser usado contra eles. Em sua série de reportagens sobre o estresse, o jornal “Huffington Post”também revelou o que celebridades fazem para combatê-lo. Na lista abaixo, estão as três melhores ideias para servir de inspiração:

Michelle Obama: “Os exercícios são importantes para mim, eles são terapêuticos. Por isso, se estou perto de explodir, coloco meu iPod, vou para a academia ou ando de bicicleta com as meninas”, contou a primeira-dama dos Estados Unidos à Marie Claire americana.

Brad Pitt: “Se eu estiver lidando com um problema estressante, começo a pensar em arquitetura. Ando pela área externa e penso no que preciso fazer pela estrutura da casa”, disse o ator à revista Parade.

Angelina Jolie: “Eu encontro um momento de meditação ao me sentar no chão para brincar de colorir com as crianças por uma hora, ou pular no trampolim”, contou a atriz e mulher de Brad Pitt à revista Stylist Magazine.

'Quem faz muita coisa ao mesmo tempo tem cérebro ineficiente', diz autor

desenvolver equilíbrio emocional é chave para bem estar e sucesso



Meditação e yoga ajudam na concentração para o que realmente importa. Leia abaixo. Foto: Getty Images
Poucos meses após o lançamento do livro“Inteligência Positiva” (Editora Objetiva), o autor e pesquisador Shirzad Chamine já é o mais famoso e moderno guru do equilíbrio entre raciocínio e emoção. Em anos de pesquisa publicada em seu best-seller, Chamine define e ensina a combater o que ele chama de“sabotadores da mente”, espécies de perfis psicológicos que todos carregam e que deixam aflorar em determinadas ocasiões. Na era da distração e das multitarefas, o autor considera fundamental saber lidar com as tais cobranças internas alimentadas por esses sabotadores.


“Acabamos de fazer uma pesquisa na Universidade de Stanford que mostrou que o cérebro de quem faz várias coisas ao mesmo tempo é incrivelmente ineficiente, interrompendo ciclos e dispersando energias ao passar de uma atividade para outra”, explica Shirzad Chamine. Assista abaixo à entrevista do autor que vai ao ar no “Saia Justa” desta quarta-feira (22), às 21h30.



“O que é legal de verdade, como digo para meu filho de 13 anos, é estar tão em controle da sua mente para comandá-la a se concentrar em uma coisa só, sem divagar de um lado para outro”, conclui o especialista. Shirzad Chamine não promete livrar ninguém dos sabotadores internos. O essencial, de acordo com ele, é desenvolver equilíbrio emocional para colocar o foco sobre o que realmente importa.

Dicas para aumentar a concentração

Para o autor de “Inteligência Positiva”, atividades como yoga e meditação são ótimos exercícios para quem precisa se concentrar mais nas próprias tarefas. O problema, segundo ele, é que pouquíssimas pessoas conseguem parar a rotina e exercer essas atividades.

Como alternativa, Shirzad Chamine desenvolveu exercícios de meditação que duram só dez segundos. “Como por exemplo: ao abraçar uma pessoa amada pela manhã, ser capaz de abraçá-la com tanta atenção que consiga ouvir o coração dela bater; ou quando estiver comendo, conseguir sentir todo o sabor da comida”, define o autor
.

Motivação: 4 passos para driblar a falta de energia no trabalho

veja a lista abaixo e dê um up no seu dia

Foto: Getty Images
Até os mais felizes com a carreira que escolheram têm seus dias de desânimo. É que a rotina, como bem sabemos na prática, está sempre por um fio de se tornar cansativa e pesada. Mas isso só acontece se a gente deixar, claro.


Não vale colocar sobre o universo a responsabilidade de fazer com que as coisas sempre conspirem a seu favor. Ânimo e motivação para fazer acontecer - no trabalho ou fora dele - dependem de suas ações. Na lista abaixo, damos dicas para que você possa exercitar essas virtudes e afastar o cansaço mental que a deixa desmotivada. Veja como.
  • 1
    Faça o que mais gosta
    Entre a vontade de ir correndo para casa e a pilha de trabalho em cima da mesa, tem sempre alguma coisa que pode adorar fazer e que você já faz melhor do que todas as outras. Nesses dias mais lentos, priorize o que te dá prazer: revisar um relatório ouvindo música, conversar com seus melhores clientes ou dar uma cara nova para um projeto esquecido.
  • 2
    Diversifique
    Nunca se deixe levar por um trabalho acumulado. Mesmo que a agenda do dia esteja tomada pela mesma tarefa, procure diversificar as horas com outros trabalhos. Que tal uma ronda na internet por sites do seu ramo de atuação para ficar por dentro do que está rolando? Informação nova faz é um refresco para a mente, pode apostar.
  • 3
    Batalhe por autonomia
    Uma das principais queixas de quem trabalha numa empresa é a impossibilidade de tomar decisões. Se você se sente preparado para correr mais riscos – mas seu chefe ainda não sabe disso – encontre uma forma de conversar com ele sobre o assunto. A reunião defeedback é o momento ideal para isso. Enquanto isso, durante o trabalho, mostre que você é capaz de propor e de encarar novos desafios: sugira ideias, observe o que a concorrência está fazendo, motive os colegas. Ele não só vai reparar a diferença, como também você vai se sentir mais motivado para sair de casa pela manhã.
  • 4
    Recompense a si mesma
    Dias exaustivos de trabalho merecem um alento no final, ou na hora do almoço, como preferir. Nessas ocasiões, procure dar pequenas recompensas a si mesma pelo seu esforço. Vale uma sobremesa que você não come há muito tempo ou até um passeio com ar puro pela vizinhança da empresa. Respirar fundo e fazer uma avaliação positiva do seu trabalho também pode ajudá-la a entender que, dias sem motivação, são só pequenos momentos perto do que você já conquistou e que ainda pode conquistar.

O que pessoas bem-sucedidas fazem na primeira hora de um dia de trabalho

checar e-mails não está na lista; veja mais

Steve Jobs perguntava a si mesmo se gostava do que fazia. Foto: AP Images
Semana pós-feriado prolongado começando, agenda cheia de compromissos, tarefas atrás de tarefas. Dar conta de tudo pode ser uma missão quase impossível, mas para o colunista da revista de negócios Fast Company, Kevin Purdy, o segredo da boa administração do tempo está na primeira hora de trabalho.

Segundo ele, grandes empresários como Steve Jobs, morto em 2011, e David Karp, presidente do Tumblr, usam esse momento do dia para avaliar a rotina e focar no lado humano de seus negócios e não na “máquina” que faz tudo girar

Na lista abaixo, selecionamos do artigo de Purdy as ações mais comuns na primeira hora de trabalho de quem é bem-sucedido no que faz. Veja e inspire-se.
  • 1
    Pasmem! Eles nem checam os e-mails
    O fundador do Tumblr, David Karp, disse em entrevista a uma publicação americana que tenta, com esforço, não checar e-mails antes das 9h30 ou 10h da manhã.  O motivo? “Ler e-mails em casa nunca é bom ou produtivo. Se alguma coisa for urgente, as pessoas vão ligar ou mandar mensagens”, disse ele.

    O colunista Kevin Purdy, da Fast Company, usa o exemplo para destacar em seu artigo o comportamento moderno de sempre esperar uma resposta rápida do outro e deixa claro que logo no começo do dia não é preciso que essa máxima seja levada tão a sério assim. Será que não vale a pena já ir acostumando colegas e até o chefe a esperar um pouco mais pela resposta?

  • 2
    Agradecem!
    O guru da auto-ajuda Tony Robbins, que tem seguidores bem-sucedidos por todo o mundo, pede a seus discípulos que, assim que acordem, reservem uma hora, trinta minutos ou no mínimo quinze para rezar um mantra motivacional. Boa parte desse momento deve ser reservado para a reflexão das coisas pelas quais são gratos: família, amigos, carreira, tudo. A outra parte consiste em visualizar tudo o que se quer da vida como se elas já estivessem presentes hoje. O truque aqui é tentar acordar um pouco mais cedo e, sem a ansiedade de se preparar para sair, focar na meditação. Será que a gente consegue?

  • 3
    Engolem o sapo maior
    O consultor de administração do tempo Brian Tracy se inspirou em uma frase do escritor Mark Twain para compor um de seus livros de auto-ajuda: “Se você engolir o maior sapo logo de manhã, nada mais parecerá tão ruim no resto do dia”. Em inglês, a expressão “engolir um sapo” não quer dizer “levar desaforo para casa”, como em português, mas sim fazer o que é mais difícil. A regra aqui é clara: nada de deixar para resolver depois o que pode ser feito agora. A dica para administrar bem as tarefas está em elencar as prioridades, das mais urgentes para as menos. Pensar sobre elas no caminho da casa para o trabalho pode adiantar o processo.

  • 4
    Perguntam a si mesmos se fazem o que querem
    O famoso discurso de Steve Jobs na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, em 2005, é um dos mantras motivacionais mais compartilhados do momento. Jobs disse: “Quando eu tinha 17 anos, li uma frase que era um pouco assim: ‘Se você vive cada dia como se fosse o seu último, um dia você vai estar certo’. Isso me marcou e, desde então, pelos últimos 33 anos, tenho olhado para o espelho todas as manhãs e me perguntado: Se hoje fosse o último dia da minha vida eu gostaria de fazer o que estou prestes a fazer hoje? E se a resposta fosse 'não' por muitos dias seguidos, eu sabia que precisava  mudar alguma coisa”. Essa dica vale seguir à risca, não?

  • 5
    Mantêm contato
    A última coisa que o fundador de uma empresa precisa fazer é responder a cada uma das reclamações dos clientes, certo? Errado. Segundo o empresário Craig Newmark, da bem-sucedida empresa de anúncios Craigslist, responder os usuários é o que o prende à realidade. No dia a dia, esse comportamento pode ser traduzido em fazer perguntas aos mentores e trocar experiências com colegas. É nesse momento da rotina do trabalho que fica mais fácil fazer contato com as pessoas, antes que as tarefas comecem a se acumular na mesa e a "socialização" acaba ficando em segundo plano.